terça-feira, 25 de junho de 2013

Mandante, Comandante ou Lider...

PARABÉNS AO CMT. DA GMC, CAP. AGUIAR, QUE DIARIAMENTE VEM MOSTRANDO SER, NÃO SÓ CMT. MAS UM LÍDER, SEMPRE PRESENTE NAS AÇÕES DA GUARDA MUNICIPAL, REPRESENTANDO E DEFENDENDO A GUARDA MUNICIPAL DE FORMA IMPARCIAL. PROCURANDO A CADA DIA SE ATUALIZAR COM RELAÇÃO AS ATRIBUIÇÕES DA GMC, BUSCANDO RECURSOS E DEFENDENDO OS DIREITOS DOS GMS.

É sempre louvável e sempre resulta em benefício de cada grupo o desejo, a busca em ser reconhecido como líder ou, contentando-se com um pouco menos como um comandante, podendo acontecer de não se conseguir mais do que ser um mandante.
É natural o desejo de destacar-se no meio em que vivemos. As medidas, as formas que adotamos é que podem macular um desejo que, em sua origem, faz parte da própria essência do ser humano.
Nesse diapasão de pretensões é que os objetivos se definem de forma clara para os premiados na sua origem, no seu DNA, pois trazem como marca indelével de seu estilo uma das três características citadas acima.
Assim é o poeta. Não se constrói um poeta nas salas de aulas, não se molda um poeta nas Faculdades, não se consegue diploma de poeta. Esta característica faz parte dessa raça especial de seres. São dotados de uma sensibilidade extra, enxergam coisas que a maioria não vê, dá cores e perfumes nos seus versos, nas suas estrofes, nos seus escritos.
O poeta vê e expressa beleza na rudeza, no torpe, no insensato, no inconseqüente e consegue tocar platéias, consegue tocar a alma do mais rude dos seres humanos.
Se o poeta tem essa sublimidade o LIDER é a encarnação dessa alma especial na lida comum do dia a dia, no serviço ao próximo, na configuração permanente de idéias e no transformá-las em ideais, sempre em favor do todo e não para ser reconhecido como grande pela comunidade.
O líder dispensa o elogio e, em não raras oportunidades até o aplauso.
Na constante disputa travada entre os homens e seus grupos, quase sempre a identificação de liderança é confundida com a oportunidade ou simples desejo do poder de mandar. Não confundir com comandar.
A diferença que existe pode não ser percebida entre o mandante, o comandante e o líder.
Talvez a mais forte diferença que se pode estabelecer entre essas três posições seja simplesmente o fato de o mandante ter necessidade de ser obedecido, de ver suas ordens sempre cumpridas, não tirando dessa posição de destaque o mérito dos resultados obtidos.
O comandante, diferentemente do mandante, embora ambos necessitem de um mandato, de uma outorga de poderes, mesmo que por certo tempo, age de forma mais coletiva, permite a interposição de outras opiniões, consegue ouvir e refletir nos comandos que dá a oportunidade de melhor alcançar os objetivos desejados.
Já o líder dispensa esses artifícios e pode ser de modo mais simples porque é sempre buscado pelos que lidera ou que venha liderar. Está sempre à frente do grupo sendo do grupo a referencia e ponto de esperança e compreensão porque mais ouve do que fala,com a capacidade de ouvir até no silencio...
Uma sutileza s.m.j., estabelece a diferença entre os três. Enquanto do mandante e do comandante, os seus seguidores vão à frente e buscam dele distanciar-se o máximo possível, há sempre um clima instável quando estão próximos, ao passo que o líder sempre está à frente e, aqueles que assim o identificam, buscam dele se aproximar sempre mais.
Comandar é e, será sempre uma posição de riscos porque contempla o poder ou obrigação de tomar decisões e determinar as ações que sedimentam e consolidam a chamada responsabilidade no agir.
O resultado deve ser sempre a meta de beneficiar a população ou o conjunto de liderados. Nessa busca de beneficiar o conjunto é que o comandante pode ter a postura de líder. Uma vez que liderar é muito mais que mandar. Nem sempre é da responsabilidade do líder a posição de comandante, mas sempre se espera de qualquer pessoa investida na função de comandar uma postura segura de líder.
É sábio o comandante que admite rediscutir uma ordem dada se um argumento, mais prudente e objetivo, for apresentado. Confundir ordem com comando não é uma boa forma de traduzir a certeza do comando dado.
A História da humanidade tem mostrado que a concentração de poder é sempre uma aposta de risco em projetos que podem ser de natureza pessoal e não de interesse coletivo.
Há quem afirme que a diferença fundamental entre o líder e o comandante é que deste os comandados seguem à frente e tomam a distancia que a astúcia e a prudência recomendam, ao passo que o líder está sempre à frente e é permanentemente seguido pelos seus liderados.
Estes, os liderados, por mais que se esforcem estão sempre atrás. Não em segundo plano, mas com a aceitação de que o líder que seguem cuida sobretudo do interesse de todos.

 Sebastião Ananias

Nenhum comentário:

Postar um comentário